quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Nessa terra de gigantes

Uma das maiores dificuldades enfrentadas pelos pequenos corretores, sejam novos ou antigos, é a concorrência com as grandes corretoras do mercado e sua influência nas seguradoras.

Não é raro encontrarmos um corretor que perdeu uma concorrência para outra corretora com maior produção devido às vantagens comerciais que esta possui. Para os grandes produtores do mercado, conseguir condições melhores, ou até, aceitação para riscos que são restritos para a maioria é tarefa muitas vezes fácil e rotineira.

Do ponto de vista meramente comercial esta prática não apresenta nenhum vício técnico ou ilegalidade, contudo, os desdobramentos desta prática são merecedores de uma abordagem mais detalhada e, principalmente, imparcial.

De um lado, as seguradoras têm interesse em aproximar aquela corretora que tem grande volume de produção por uma questão óbvia de aumentar suas receitas e seu resultado. Sendo assim, para conseguir trazer estes negócios, tem que oferecer algumas vantagens para este corretor, como uma margem acima no limite estabelecido para os outros corretores, uma aceitação mais flexibilizada e até gerentes exclusivos.

De outro lado, o corretor que não possuem essa produção mais expressiva, fica refém das condições que são impostas pela seguradora e tem que encontrar os caminhos para trazer o cliente para sua carteira em condições menos favoráveis e, muitas vezes, menos lucrativas. E pior, quando não são surpreendidos por um possível cliente que não entende porque ele tem um preço e o outro corretor tem outro.

Existe ainda a encruzilhada que muitas vezes ficam os gerentes comerciais das próprias seguradoras. Impedidos por políticas internas de oferecer os mesmos benefícios a todos os corretores, tem que se ver em situações de negar uma aceitação à um corretor que é claramente preparado para atender aquele cliente, e aceitar para outro corretor que não necessariamente vai atender o cliente com a mesma qualidades e dedicação.

Fato é que os corretores com menor produção se erguem, com razão, para reivindicar melhores condições para crescer e se tornarem grandes corretores. Já os grandes corretores exigem as benesses em barganha à sua produção, afinal, muitos suaram bastante para chegar onde estão. Por sua vez, as seguradoras não assumem publicamente que tem condições diferenciadas e, não raro, fogem da discussão.

Muita pretensão seria tentar chegar aqui em um resultado eficaz e imediato, mas vale a reflexão. Corretor grande, se vocês fosse pequeno gostaria de não ter as mesmas vantagens que tem hoje? Corretor pequeno, se você fosse grande exigiria uma condição diferenciada dos outros? Seguradora, será que não é interessante investir naquele corretor pequeno que tem qualidade e potencial de se tornar um profissional engrandecedor do nosso mercado?

O desafio não é pequeno mas o corretor de seguros de qualidade, ético e profissional não desiste e vai à luta, seja pelo mercado, pelos seus cliente ou por ele mesmo!

Gostou do texto? Me ajude a vencer o concurso do CNSeg curtindo e compartilhando o post do link abaixo. Obrigado!!!



quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Seguro para terceiros

Qual a cobertura do seu seguro para terceiros?

A grande maioria das pessoas contrata o seguro para terceiros, ou RCF em suas apólices de automóvel e sabem do que se trata, mas poucos se atentam a alguns detalhes importantíssimos.

Você sabia, por exemplo, que os valores para as duas coberturas são independentes? Você não precisa contratar o mesmo valor de cobertura para danos materiais e corporais! Aliás, nem deve! A cobertura de danos corporais é muito mais barata de se contratar que a de danos materiais.

Isso significa que contratar uma cobertura de danos corporais o dobro do valor contratado para a cobertura de danos materiais pode acrescentar poucos reais ao custo final de sua apólice e pode te propiciar muito mais cobertura. É verdade que pouco se indeniza eventos nesta cobertura mas você quer correr o risco de ter que pagar a diferença de uma cirurgia de coluna em uma vítima do carro que você, acidentalmente, colidiu? E se houver mais pessoas machucadas dentro deste carro. E se for uma van? E se for uma van escolar? Valerá a pena os reais economizados?

Outra informação muito interessante, é que as cobertura para terceiros tende a ficar mais barata de contratar quanto maior o valor da cobertura! Traduzindo, se contratar R$ 50.000,00 de danos materiais a terceiros em sua apólice, custou R$ 500,00, aumentar a cobertura para R$ 100.000,00 não necessariamente custará mais R$ 500,00 e sim, muito menos que este valor. Isso acontece pois a maioria das indenizações pagas pelas seguradoras são de valores baixos e, poucos são os eventos que atingem valores altos de indenização, barateando a contratação dessa faixas maiores.

Agora, se o valor de contratar altos valores de danos materiais e corporais a terceiros é mais barato a cada vez que aumentamos a cobertura você vai esperar ter uma surpresa para pedir ao seu corretor uma proposta de aumento dessas coberturas?

Avaliar o máximo de prejuízo que você pode causar ao seu bem é fácil, basta saber o valor do seu veículo, mas e o prejuízo que você pode causar a outras pessoas?

Lembre-se que as condições de sinalização, asfalto e infraestruturas de nossas ruas, avenidas e rodovias não são das melhores e todos estamos sujeitos à um acidente, vai esperar acontecer para se precaver?

Em relação a seguros muito se houve a frase "se amanhã acontece um acidente, você estará protegido?", mas vale alterar essa frase para sentirmos o tamanho do problemas que podemos estar envolvidos: "e se ontem você tivesse se envolvido em um acidente, você estaria amparado para indenizar a todos que causou prejuízo?"

Pense bem e fale com seu corretor!

Gostou do texto? Me ajude a vencer o concurso do CNSeg curtindo e compartilhando o post do link abaixo. Obrigado!!!
https://www.facebook.com/susepoficial/photos/a.639784316103967.1073741828.639740902774975/1070031413079253/?type=1&theater 

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Em tempos de crise, não espere dar 17:30!

O mar não está pra peixe!

Muitas empresas estão com dificuldades para conseguir novas vendas e cumprir com suas obrigações, encerrando suas atividades e deixando colaboradores, clientes e fornecedores a ver navios. Tudo isso foge ao nosso controle mas há algo de extrema importância que não!

Levantar de nossa cadeira e ir pra rua.

Como corretores de seguros temos a responsabilidade de estar junto ao nosso cliente, principalmente em momentos como agora. Nós, corretores de seguros, somos a rede de proteção das empresas e não podemos falhar pois nós temos a capacidade, como nenhum outro profissional, de proteger nossos clientes.

Seu cliente precisa de você, ele precisa muito mais do seguro do que ele pensa, mas, distraído pelo dia a dia ele negligencia a administração do seu risco e, não raro, sofre um prejuízo que complica ainda mais sua situação.

Mas você, corretor de seguros, pode, e deve, ajudar este cliente a não passar por isso. Precisa fazer com que ele o ouça, tem a obrigação de fazer a mensagem chegar nele!

Sabemos que ligações não retornadas ou e-mails ignorados são bem comuns em nossa área e é nesta hora que reunimos forças e nos levantamos para ir até o cliente, tocar sua campainha e mostrar a ele o quão importante ele é para nós, o quanto eles está desprotegido e o quanto você pode ajudá-lo.

Crises tendem a aumentar a demanda por de seguros por uma simples razão: as pessoas tem muitos problemas com os quais estão se preocupando e nós, corretores de seguros, temos uma escolha a fazer: podemos aguardar com que a crise passe, pois elas sempre passam, ou nos erguermos e protegermos nossos clientes neste momento de tanta vulnerabilidade e de tão pouco tempo pra pensar no seguro.

Corretor de seguros, levante e proteja seu cliente! Seja uma empresa, uma família ou os bens das pessoas. Faça-se ouvir! Exija o "cara à cara" com seu cliente e o intime: você está desprotegido quando menos poderia estar e eu vou resolver isso pra você!


Não reclame da calmaria sentado em seu escritório tomando café e esperando o telefone tocar, não aguarde o cliente te procurar, a seguradora não pode vender seguro sem você, o cliente não pode contratar seguro sem você, você tem a responsabilidade de proteger essas pessoas


Por favor! Não passe o dia aguardando o final da tarde, não espere dar 17:30!

Agradecimento especial ao meu mentor, professor e pai Edson Fecher, por ter me dado, através de toda sua experiência a inspiração para este texto.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Você ama sua família?

Carta de um filho ao seu pai:

"Pai, semana passada você nos deixou.

Ainda não me acostumei com não ter sua presença em nossas vidas e não sei se um dia me acostumarei. A mãe mal está falando e quase não come. Realmente ninguém esperava sua partida mas a vida é assim mesmo e tenho certeza que passamos muitos momentos de alegria juntos.

Muitos amigos e familiares vieram para se despedir de você, todos muito emocionados, você era muito querido. Seu chefe também veio, ele o homenageou com uma coroa de flores muito bonita, e não se cansava de dizer a todos como você era um bom colega de trabalho.

Agora tudo passou, restou eu e a mãe em nossa velha casa.

Ontem ela veio conversar comigo e me explicou algumas coisas. Disse, com os olhos marejados, que eu precisaria mudar de escola porque onde eu estudo ela não conseguiria mais pagar. Disse que eu precisaria ficar a noite em casa sozinho porque ela conseguiu outro emprego e precisaríamos dele para pagar as despesas da casa. 

Vou precisar ajudar a mãe a limpar a casa, pois não temos mais condição de pagar a moça que nos ajudava uma vez por semana, mas já me organizei para conseguir tempo de fazer as tarefas da escola e da casa, também vou ter que escolher menos guloseimas no mercado, essas coisas são muito caras para a nossa renda, mas não será nenhum sacrifício.

Ontem recebemos uma boa notícia, seu chefe ligou e disse que você tinha um seguro de vida lá pela empresa. Devemos receber o valor em breve e vamos usá-lo todo para pagar o advogado que fez seu inventário, essas coisas são bem caras, depois disso, não deve sobrar muito.

Eu sempre quis fazer engenharia, mas pelo que andei pesquisando das mensalidades, não vai dar. Acho que vou adiar um pouco esse plano, para quando as coisas melhorarem.

Você faz falta pai, te amo."

Carta de um outro filho para seu pai:

"Pai, semana passada você nos deixou.

Ainda não me acostumei com não ter sua presença em nossas vidas e não sei se um dia me acostumarei. A mãe mal está falando e quase não come. Realmente ninguém esperava sua partida mas a vida é assim mesmo e tenho certeza que passamos muitos momentos de alegria juntos.

Muitos amigos e familiares vieram para se despedir de você, todos muito emocionados, você era muito querido. Seu chefe também veio, ele o homenageou com uma coroa de flores muito bonita, e não se cansava de dizer a todos como você era um bom colega de trabalho.

Agora tudo passou, restou eu e a mãe em nossa velha casa.

Ontem recebemos uma boa notícia, aquele seu amigo corretor de seguros nos visitou e disse que, há muito tempo, você tinha um seguro de vida. Quando ouvimos o valor que receberíamos ficamos até assustados! Era muito dinheiro. Mas ele nos explicou a conta que você fez.

Uma parte era para pagar todo o meu estudo, desde a escola até a pós-graduação. Outra parte era para ajudar nas despesas domésticas durante alguns anos. Tinha também uma parte para pagar o advogado do inventário, como essas coisas são caras! E por fim, você também colocou na conta, um valor para que todos os anos voltássemos àquela colônia de ferias que sempre vamos e lembrássemos de como fomos felizes juntos!

Depois de toda a explicação, eu e a mãe não nos contivemos e desatamos a chorar, seu amigo também acabou se emocionando.

Você faz falta pai, te amo!"

Se você ama sua família, faça um seguro de vida.